quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Evangélico e Homofobia


Os líderes evangélicos, pós-evangélicos, pentecostais, neopentecostais... como queiram chamar, utilizadores da mídia televisiva, alcançaram níveis de evidências sem precedentes no Brasil. Alguns enveredaram na carreira política e estão ocupando cargos estratégicos com muita visibilidade, caso do Marcos Feliciano.
Há um ano e meio atrás explodiu no Brasil uma onda de protestos por causa de sua eleição à  Comissão dos Direitos Humanos na Câmara dos Deputados. Houveram investigações minuciosas, da parte do Movimento LGBT, com o intuito de descredenciar e descontruir (palavra em moda, associada à Marina nestes dias), a pessoa do Feliciano.
Esta ação agressiva, preconceituosa, não só contra o pastor deputado, mas contra quase toas as manifestações ou expressões evangélicas, ficando em mais evidência no processo eleitoral de 2014. 
Quem vai parar com as agressões?
Pastores com visibilidade e interesses eleitoreiros, também com uma carga de preconceito indisfarçável e o Movimento Gay com sua prática agressiva, acredito, proporcional ao nível de agressão sofrido por eles, de uma forma indiscriminada ao longo dos milênios, principalmente no contexto “cristiânico*” e islâmico; duas enormes ondas religiosas mobilizadoras e controladoras de massas em nome de profetas, os quais não avalizaram estas atitudes.
Pelo menos Jesus, com certeza, não orientou desta forma.
Cabe a parte que prega o amor - não me referindo a Eros, mas a Ágape - reagir de forma diferente.
A propósito: uma igreja que ama acolhe.
Afirmo: a maioria, grande maioria das igrejas ditas cristãs, incluindo católicos, adventistas, igrejas protestantes históricas, passando, claro pelos neo e pentecostais, não têm estrutura para acolher homoafetivos, àqueles, especificamente, que escolhem o seio da religião cristã, não importando a sua variante, como refúgio ou amparo para as suas questões e crises sejam espirituais, existenciais, de cunho moral ou de outra ordem.
A pressão que este popular pastor continua a receber nestes dias, leva-me a refletir acerca do nível de preparo,sensibilidade e profundidade da liderança midiática.


Neste contexto fui provocado por uma amiga, residente na Capital Federal em assistir a um vídeo com o Pr. Marcos Feliciano pronunciando-se em um culto, defendendo-se das críticas e protestos direcionados a ele. 


Na gravação, o pastor expõe a temática de forma pejorativa, sem respeito algum e sem profundidade. A posição bíblica deve ser defendida, mas evitando termos ou construção de imagens caricaturadas e depreciativas ao homossexualismo.
Um detalhe sério no contexto do Brasil contemporâneo: a realidade fora dos limites dos templos é outra. A população no geral observa os evangélicos, principalmente os televisivos, com muita atenção e fiscalização. Parece que boa parte dos pastores midiáticos ainda não percebeu.
Existe um seguimento “evangelicofóbico”, esta parte da população não vai ser “convencida” ou “acalmada” só com argumentos bíblicos, nem com as técnicas usuais de persuasão e manipulação emocional corriqueira. Eles estão atentos às ações lesivas, de exploração e engano, há anos, praticadas impunemente, por nossos ágeis e competentes animadores.


Os pastores televisivos têm adversários ardilosos, maliciosos, conhecedores da lei e de nuances por trás delas. Querer adentrar em “territórios do poder”, por décadas controladas por eles, é perigoso. Na mesma reflexão o Estado é laico e não tem as Escrituras como referência norteadora.

Estado laico 
Por falar em Estado laico, estou atento a expedientes utilizados, com este argumento pelos secularizados ou anticristãos. Abusam da legalidade só que, exclusivamente contra os evangélicos. O Estado é laico e não pode beneficiar nenhuma tendência religiosa, nem catolicismo, nem religiões animistas (seja indígena, seja afro), nem espíritas, tão pouco espiritualistas (seja de influência europeia, seja oriental, seja afro), da mesma forma não convém ao Estado trazer temas religiosos, seja de forma explicita ou velada  independente da fé.
Concordo que as instituições educacionais administradas pelo Estado tenham, nas suas programações, em horários específicos, espaço aberto à reflexão religiosa, dando-se oportunidades a todas as tendências, com os alunos podendo escolher, livremente o que quer ouvir.

Os pastores midiáticos
Os pastores da TV precisam se embasar mais na temática do homossexualismo, ler mais sobre o assunto, perceber as informações bíblicas sobre as minorias em seu contexto, no ângulo correto.
Acrescento: O seguimento mais visível do “mundo gospel”, pratica uma ética comprometida, frágil, para não escrever quase inexistente. Precisam tapar as suas brechas com um bom material chamado confissão e arrependimento, apelando para a graça plena em Jesus.

Mas, ainda não é o fim,
Pr. Pedro Luís




terça-feira, 23 de setembro de 2014

Pastores Leiloam Seus Púlpitos nas Eleiçoes 2016


Igreja leiloa púlpito.  Fato ou ficção?
  Quanto vale o voto de sua igreja, pastor?
  Quanto vale a honra sua e de sua igreja?
  - Calma, calma!  

  
   Qual a capa de um político honesto?
  -  Ordem! ORDEM!!
   O que a igreja evangélica pode fazer para contribuir com        a ética cristã no Brasil?
   - Só pregar a Salvação. ORDEM! ORDEM! ORDEM!
   Salve-nos, oh Deus, de nós mesmos, de nossa mediocridade.  

   Púlpitos Leiloados em Nome de Deus!!

   Pastor Evangélico fecha acordo com candidato em troca da “santa” oferta de 50 mil reais.
     Realidade brasileira na saúde: péssimo atendimento médico, mortalidade nos corredores dos hospitais por falta de leitos, remédios e médicos...
O pastor brada: sou contra o aborto legalizado!
  
   Patética ética! Tá dominado!
  
   Ordem!! Porque em um dos países com maior crescimento de evangélicos no mundo, a violência, a corrupção e a miséria também crescem vertiginosamente? Tem um dos maiores índices de prostituição e fome, de trabalho infantil...
No Brasil, é moda ser crente! É chique ser crente! Um barato ser crente! É alienante ser crente?
  
   Candidato em Campanha
Candidato a deputado chega junto ao pastor de uma Igreja com 550 membros, também líder regional de uma denominação de grande expressão. Ao término do culto, o pastor aproxima-se dele. Convida-o ao seu gabinete. O ilustre candidato, sem mais delongas, vai direto ao assunto:  - Pastor eu sei que o senhor está querendo fazer algumas reformas em sua igreja e, sabendo de sua seriedade, estou aqui para lhe ajudar no que for preciso. Pode ser que o senhor alegue que o fato de estarmos muito próximos das eleições possa pegar mal, mas, adianto para o amigo, não tem nada a ver uma coisa com a outra, eu quero que o senhor lembre-se do meu nome para deputado, como o candidato de Deus para a sua igreja. Eu não compro votos. Quero ajudar a igreja. Não sou evangélico, mas gosto muito dos crentes.   
   O pastor constrangido responde:
   - Claro doutor! O amigo é sério, eu sei. Só que tem um probleminha, eu já me comprometi com outro candidato. Ele esteve aqui antes de você e, para ajudar na compra das janelas da igreja, me deu, ou melhor, doou para a igreja, vinte mil reais! Infelizmente, não posso acompanhá-lo esse ano.
     Mas, o perseverante candidato insiste:
   - Meu pastor, eu não posso perder tão honroso apoio. Olhe eu vou lhe ofertar para as janelas da igreja quarenta mil reais. Devolva os vinte mil reais e fique com o resto.  
   O pastor eufórico e surpreso respondeu:
   - Eu sabia que não era de Deus o meu apoio para aquele candidato. Graças a Deus que me enviou o amigo. Isso é resposta de oração. Com certeza, eu lhe apoiarei e indicarei para toda igreja votar com você. Doutor, o senhor é o candidato de Deus. Deus escreve certo por linhas tortas.
   - O resto da historia todos nós já sabemos: Olha a Manchete proibida:
  
  EXTRA:  “Deputado picareta compra votos de igrejas evangélicas e é eleito com larga margem de votos.”  
 
   O Pastor Oportunista.
Um dos presbíteros em reunião pergunta ao pastor qual o candidato
ele vai apoiar nas próximas eleições. O pastor, pensativo, responde: “calma, calma, eu estou aguardando para saber quem tem mais chance de ganhar... Claro que não vamos apoiar perdedores. Afinal de contas, toda a autoridade é constituída por Deus”
  
   EXTRA! EXTRA! EXTRA!
   Uma parte da liderança eclesial evangélica brasileira repete a sociedade corrompida nacional: não ver nada de mais em se desviar verbas da educação – Entenda-se taxa de analfabetismo altíssima; subornar guardas de trânsito, dar propina ao funcionário público.

Com esta postura a igreja não é profética, é sem ética, é refém do príncipe deste século.
Mas, ainda não é o fim.
Pedro Sertão Silva

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Revelação Que Gera Compromisso

Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: “Quem enviarei? Quem irá por nós?” E eu respondi: Eis-me aqui. Envia-me! (Isaías 6.8)
 
Deus Se revela na natureza, em sonhos, profecias, visões. São formas de revelação contidas na bíblia, mas a Palavra de Deus é a mais segura revelação acerca dos propósitos e intenções do próprio Deus.
Só se conhece a Deus de forma mais profunda se Ele se revelar. Muitas revelações podem ter um poder fantástico de construção ou de destruição.
Um tipo de revelação é a denúncia:
Tivemos dois momentos graves na história política brasileira causada por revelações comprometedoras de importantes políticos. Em 1930 o então presidente do Estado da Paraíba, João Pessoa, denunciou no jornal oficial do Estado o adultério de seu inimigo político João Dantas. João Dantas, por isso, matou seu desafeto, João Pessoa. O assassinato foi usado como pretexto para a Revolução de 1930, liderada por Getúlio Vargas.
Pedro Collor revelou detalhes de corrupção em que seu irmão, Fernando Collor, então Presidente da República, estava envolvido, o que se tornou testemunho importante para a cassação do Presidente Collor.
A maior e mais poderosas de todas as revelações é Jesus, o Salvador do Mundo.
Plano de fundo do texto proposto:
Mais ou menos 750 anos antes de Cristo foi escrito o livro de Isaias, que foi vocacionado para ser profeta no ano da morte do rei Uzias.
Naquele tempo, Israel vivia numa crise espiritual e moral, como poucas.
Isaias também estava em crise pela morte do rei Uzias, seu amigo pessoal, e por causa da decadência moral e espiritual do povo.
Através de uma visão reveladora, Isaías foi desafiado por Deus para seu ministério profético: Isaías viu a Trindade santa (“Santo, santo, santo” e “…e quem há de ir por nós?” (Is 6.3 e 8).
Uma revelação em santidade e purificação: Serafins do hebraico sãrafh significa consumir com fogo.
Quem nasceu de novo é comprometido com a Obra Missionária
- Partindo do pressuposto de que todo aquele que nasceu de novo recebeu a maior das revelações divinas e, consequentemente, é de, uma forma ou de outra, voluntário para servir a Deus, contribuindo para a expansão de Seu Reino, que o alcançou, aplicamos:
a) Isaías tinha consciência de seu pecado individual e do pecado coletivo (Is 6.5 e Rm 3.23), “pois todos pecaram…” Consciência do pecado, da justiça e do juízo.
b) Foi testemunha de que a salvação e a purificação vêm de Deus “Logo um dos serafins voou até mim trazendo uma brasa viva, que havia tirado do altar com uma tenaz. Com ela tocou a minha boca e disse: “Veja, isto tocou os seus lábios; por isso, a sua culpa será removida, e o seu pecado será perdoado”. (Is 6.6-7) e que Jesus é o autor da salvação: “Ao levar muitos filhos à glória, convinha que Deus, por causa de quem e por meio de quem tudo existe, tornasse perfeito, mediante o sofrimento, o autor da salvação deles.” (Hb 2.10); sem derramamento de sangue é impossível a purificação de pecados: “De fato, segundo a Lei, quase todas as coisas são purificadas com sangue, e sem derramamento de sangue não há perdão.” (Hb 9.22).
c) Deus sabe que pode contar com aquele que ele salva, restaura, capacita, fortalece, vivifica: “Então ouvi a voz do Senhor, conclamando: “Quem enviarei? Quem irá por nós?” E eu respondi: Eis-me aqui. Envia-me!” (Is. 6.8).
d) O que foi salvo é, com prazer,  voluntário para servir ao seu Salvador e Libertador, respondendo de pronto: “Eis-me aqui, envia-me a mim!
Concluindo, irmãos, aquele que já recebeu a maior das revelações divinas,  Jesus Cristo, como salvador e Senhor, nasceu de novo, e sabe que seus pecados foram perdoados, que é uma nova criatura, que a salvação só pode vir de Deus, não mérito pessoal, que se torna voluntário com todo o seu ser para se dedicar  ao Reino de Deus: “Eis-me aqui!”.
Que Deus assim nos abençoe,
Pr. Pedro Luís da Silva

quinta-feira, 12 de junho de 2014

Nada como Saúde, quem sabe, Educação Padrão

Nada contra o esporte, manifestação “celebra(tiva)dora", querido escape.
Tudo contra a rapina, a desumanização tolerada, máfia despida sem pudor, sem punição.
Nada contra a Copa, apesar da Fifa tenebrosa em suas imposições
Apesar das implicações do capital desumano, atrelado a Copa.
Nada contra a paixão do brasileiro “celebrativo”, festivo.
Contudo o contraste eficiência “humana” e excelência, apesar do pouco atraso - padrão nacional dos estádios.
Confronta com a ineficiência crônica, doente, desumana na educação, saúde e INFRA
Nada contra a alegria, mas precisamos atentar para os ludibriadores do presente. do passado e fazer um futuro mais limpo, mais decente, mais competente, honesto, com teto, sem espectros.
Viva o Brasil real.
Pedro Sertão Silva